Vote no seu europeu favorito

Delegados, hora de lobbar em favor do seu europeu favorito!

Acessem o European Voice Awards 2008. Qualquer pessoa pode votar.

25 candidatos concorrem ao título de Europeu do Ano.

E os indicados a político do ano são:

  • Demitris Christofias, presidente do Chipre; e Mehmet Ali Talart, presidente do Chipre do Norte (em dupla);
  • Sigmar Gabriel, ministro da energia da Alemanha;
  • Nicolas Sarkozy, presidente da França;
  • Boris Tadic’, presidente da Sérvia;
  • Donald Tusk, primeiro-ministro da Polônia.

Os delegados dos respectivos países têm a obrigação moral de torcer por eles! Vamos lá, votem!

Anúncios

Coréia do Norte reabre usina nuclear (ai ai…)

Do site da VEJA:

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) revelou nesta quarta-feira que a Coréia do Norte retirou os lacres que vedavam as operações da usina de Yongbyon. Dessa forma, no prazo de uma semana, a planta poderá receber material nuclear para processamento do urânio para produzir plutônio – matéria-prima para a fabricação de bombas atômicas.

Kim Jong Il, no filme Team America (2004)

Kim Jong Il, no filme Team America (2004)

Além disso, os líderes norte-coreano (sic) indicaram aos inspetores da AIEA que eles não terão mais acesso a Yongbyon. Um acordo anterior previa que o reator totalmente desativado.

O anúncio foi feito por Olli Heinonen, funcionário da AIEA, diante de representantes de 35 países-membros do Conselho de Governadores do organismo internacional. Apesar das medidas, os inspetores da AIEA permanecerão no país asiático, já que as restrições impostas pelo regime comunista norte-coreano se limitam à usina de reprocessamento em Yongbyon.

A Coréia do Norte tinha abandonado o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) em janeiro de 2003, após expulsar os últimos dois inspetores da AIEA que supervisionavam suas instalações atômicas. Em seguida, o governo de Pyongyang impulsionou seu programa nuclear militar, que chegou a seu ponto crítico em 2006, quando realizou uma detonação nuclear subterrânea.

Mas dentro das negociações de seis lados, com Estados Unidos, Rússia, China, Coréia do Sul e Japão, o regime comunista concordou em desmantelar seu programa nuclear em troca de garantias políticas e ajuda econômica.

Com a recusa de Washington de retirar a Coréia do Norte de sua lista de países que apóiam o terrorismo, Pyongyang anunciou recentemente sua decisão de relançar seu programa nuclear.

Vocês não lembram, moçada, mas eu sim: quando a Coréia do Norte detonou sua bomba, foi no dia da eleição do sul-coreano Ban-ki Moon para SG da ONU. Agora, eles abrem os lacres durante a semana dos discursos de abertura da Assembléia Geral…

Isto que é enquadramento (2)

Vejam como cada jornal trata a questão da responsabilidade individual:

Jovem abre fogo em escola da Finlândia e mata ao menos 9 (Estadão)

Estudante deixa mortos ao abrir fogo em escola na Finlândia (Folha)

No Estadão, o jovem abre fogo e mata; na Folha, ele “deixa mortos”, parece algo passivo, ele “deixa”.

No Estadão, é só um “jovem”. Para a Folha, um (respeitável?) “estudante”.

Estadão quer números: ao menos nove seres humanos morreram. A Folha fala em “mortos”.

2) Primeiro parágrafo de cada notícia:

(Estadão)  “HELSINQUE – Um estudante de cerca de 20 anos abriu fogo em uma escola técnica na pequena cidade de Kauhajoki, no oeste da Finlândia, nesta terça-feira, 23, matando pelo menos nove pessoas, segundo informações da polícia. Segundo uma fonte de um hospital, o autor dos disparos estava “gravemente ferido” após uma tentativa de suicídio. O número de vítimas ainda não havia sido confirmado oficialmente.”

O estudante abriu fogo, matando pelo menos nove pessoas. Vínculo claro e direto ação-conseqüência. A informação do número de mortos vem da polícia.

Folha: “Um estudante de cerca de 20 anos abriu fogo em uma escola da localidade de Kauhajoki, oeste da Finlândia, atingindo várias pessoas. De acordo com as agências de notícias, várias ficaram mortas. O número de vítimas, no entanto, ainda é incerto.”

O estudante abriu fogo, e apenas “atingiu pessoas”. Ponto final. Depois disso, de acordo com as agências de notícias, não a polícia, várias “ficaram mortas” (?!). Ficaram e permaneceram, né?

Isto que é enquadramento

1) Manchetes do Estadão e do G1:

Chávez chega a Pequim, onde assina compra de aviões (Estadão)

Chávez inicia visita a China centrada na cooperação militar e energética (G1)

Agora observem esta inocente manchete:

Chávez chega a Pequim para fortalecer a cooperação com a China (Folha)

2) Será que é só uma questão de títulos? Vejamos agora o primeiro parágrafo de cada notícia.

Estadão: “O presidente venezuelano Hugo Chávez chegou nesta terça-feira, 23, à China, iniciando uma visita durante a qual manterá conversações com seu colega Hu Jintao e assinará um acordo para a compra de aviões de combate. Chávez vai se reunir com Jintao na tarde de quarta-feira, quando ambos também vão supervisionar a assinatura de uma série de acordos, segundo informou a agência estatal de notícias Xinhua, citando o Ministério de Relações Exteriores da China.”

G1/AFP: “O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, iniciou nesta terça-feira uma visita de Estado a China durante a qual deve assinar um acordo de compra de aviões militares e estreitar a cooperação entre os dois países, especialmente no campo de energia.”

Folha: “O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, chegou nesta terça-feira a Pequim em sua quinta viagem oficial à China, em uma visita destinada a fortalecer a cooperação com o gigante asiático, em particular no campo petrolífero.”

Na Folha, os aviões só são mencionados no 5º parágrafo, sendo que a notícia tem seis.

Novos líderes no Japão e na África do Sul

Cláudia Trevisan, no Estadão:

PEQUIM – O ex-ministro das Relações Exteriores do Japão Taro Aso, de 68 anos, foi eleito nesta segunda-feira, 22, presidente do Partido Liberal Democrático (PLD), com 66,6% dos votos dos delegados, em substituição ao ex-primeiro-ministro Yasuo Fukuda, que renunciou três semanas atrás.

EFE

Taro Aso, novo PM do Japão. Foto: EFE

Nesta terça, ele deve ser confirmado no cargo de primeiro-ministro pela Câmara Baixa do Parlamento, a Dieta (equivalente à Câmara dos Deputados), onde seu partido tem maioria. Aso venceu as eleições internas com facilidade e deixou para trás outros quatro candidatos – entre eles, a primeira mulher a concorrer ao cargo no país, a ex-ministra da Defesa Yuriko Koike.

É uma boa notícia para o Brasil e a comunidade de imigrantes brasileiros que vive no país asiático. Aso morou por um ano em São Paulo nos anos 60, como dirigente da empresa de cimento de seu avô paterno. É um ativo defensor do fortalecimento das relações entre os dois países, além de ser visto como um aliado dos 320 mil dekasseguis no Japão.

 (…)

 Como deputado, Aso dirige o Grupo Parlamentar Brasil-Japão e é presidente honorário do Comitê Executivo do Ano de Intercâmbio Japão-Brasil, celebrado em 2008 para marcar o centenário da imigração japonesa para o Brasil (…)

E no G1

CIDADE DO CABO, 23 Set 2008 (AFP) – O Parlamento da África do Sul aprovou nesta terça-feira a renúncia do presidente Thabo Mbeki, que será efetiva na quinta-feira.

AFP

Kgalema Motlanthe. Foto: AFP

Por 299 votos a favor, 10 contra e nenhuma abstenção, os deputados aprovaram uma moção que estipula que “a renúncia do presidente da República da África do Sul terá efeito a partir de 25 de setembro de 2008”.

A Assembléia Nacional sul-africana nomeará na quinta-feira o sucessor de Mbeki, que dirigirá o país até as eleições gerais do segundo trimestre de 2009.

A bancada parlamentar do Congresso Nacional Africano (ANC), partido que tem ampla maioria no Parlamento da África do Sul, designou na segunda-feira o vice-presidente do ANC, Kgalema Motlanthe, para suceder Mbeki, que foi obrigado a renunciar no fim de semana por pressão do próprio partido.:

Saiba mais sobre Kgalema Motlanthe, um conciliador na presidência da África do Sul (AFP).

Este é o Brasil, que pede autorização antes de mandar espiões

Por Cláudio Dantas Sequeira, na Folha:

Bolívia e Paraguai barraram a entrada de agentes da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) em seus territórios. Pedidos de autorização para o envio dos chamados “adidos civis” de inteligência foram engavetados, respectivamente, pelos governos de Evo Morales e do ex-bispo Fernando Lugo, que desconfiam do interesse da agência em montar escritórios em La Paz e Assunção, segundo a Folha apurou.

Oficialmente, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) diz que “os pedidos de “agrément” estão em processo de concessão”. “Não é que não concederam, ainda tem prazo antes da decisão final”, afirmou o assessor de imprensa Homero Zanotta. Mas fontes do Itamaraty e dos governos vizinhos confirmaram o veto.

A omissão é uma forma diplomática de se dizer não, segundo funcionários dos governos boliviano e paraguaio. Essas autoridades, que pediram anonimato devido à sensibilidade do tema, alegaram que há desconfiança sobre as atividades dos espiões brasileiros. A gota d”água para inviabilizar de vez a cooperação veio com as recentes denúncias de suposta participação de agentes da Abin em escutas ilegais.

O Itamaraty, por sua vez, lavou as mãos, temendo que os arapongas extrapolem suas funções, causando algum conflito diplomático. Diplomatas brasileiros ouvidos pela reportagem comentaram ainda que os vizinhos consideram suficiente a atual cooperação militar e policial, feita por adidos militares e da Polícia Federal.

A Abin começou a enviar pedidos de autorização para seus adidos há quase um ano, defendendo a necessidade de maior cooperação entre os serviços de informação regionais (…)

Começa 63ª sessão da Assembléia Geral

Começou 16 de setembro, terça, a 63ª sessão da AG.

A partir do dia 23, vocês poderão ver no site da AG os discursos de abertura. Fonte fresquinha de política externa para todos os delegados.

****

Conheçam a MESA DO SPECPOL para a 63ª sessão, que vai até setembro de 2009:

  • Presidente:
  • Vice-Presidentes:
    • Emr Elsherbini (Egito)
    • Alexandru Cujba (Moldávia)
    • Elmer Cato (Filipinas)
  • Relatora:
    • Paula Parviainen (Finlândia)